História e Comunicação: Mídias, Intelectuais e Participação Política – Beatriz Kushnir

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE
Centro de Estudos Gerais
Instituto de Ciências Humanas e Filosofia
Área de História
Departamento de História
Curso de Graduação em História

Professor: BEATRIZ KUSHNIR
Disciplina: História e Comunicação: Mídias, Intelectuais e Participação Política.
Tipo: Ciclo de Formação Profissional
Código: GHT04340
Eixo Cronológico: Contemporânea
Linha Temática: História do Poder e das Idéias Políticas

Período: 2/2007
Turno: Noite
Horário: 2ª e 4º – 18/20h.

Programa de Disciplina
Título: História e Comunicação: Mídias, Intelectuais e Participação Política.

Objetivos: Esse curso tem como base de análise a produção, acadêmica ou não, brasileira e estrangeira, que tenham as mídias como o cerne de seus estudos. Essa proposta está inserida na temática do trabalho intelectual e da questão da ética, centrando-se nas práticas de um ofício – a do intelectual/jornalista –, e nas regras a serem seguidas, especialmente, nos momentos de ruptura de um ethos. O objeto central é mapear a produção, privilegiando os ensaios acerca da relação de poder nesse “universo de conivências” – das redações, rádios, TVs, etc. –, como também nos intercâmbios com a sociedade civil e as esferas de governo. Deseja-se contemplar análises tanto no que se convencionou chamar História do Tempo Presente, como também nas relações do historiador e/ou dos cientistas sociais, e os jornalistas e sua “História do imediato”.
Motes como: o percurso de jornais, revistas, rádios, TVs, conglomerados de informação, etc., bem como dos seus jornalistas, são os itens a serem considerados. Questões como o acesso à informação e o interdito – a Censura; a percepção da imprensa como empresa privada que vende um serviço de utilidade pública; a atuação de intelectuais [jornalistas/homens de jornal], engajados politicamente à esquerda, ou a serviço do Estado [Earthly authority ou intelectocratas], seus itinerários e engajamento políticos; a constituição das esferas públicas e a função da imprensa versus o processo de cidadania republicana brasileira, são demandas importantes a serem aglutinadas.
As redes de convivência e os códigos de sociabilidade no interior desses grupos de jornalistas/intelectuais se tornam também a clave para compreender os valores e as propostas constituídas nessas comunidades e sua sintonia com o panorama político no Brasil do século XX.

Unidades:
A dinâmica se divide em duas etapas. Na primeira parte do curso, serão arrolados conceitos e práticas que permearam esses estudos. Na segunda parte, foram selecionadas reflexões, publicadas ou não, que delineie o campo explorado. O alvo central da reflexão é destrinchar a metodologia aplicada para desenvolvê-los.

Bibliografia Básica (máximo de 10 obras):
ABRAMO, Cláudio. A regra do jogo: o jornalismo e a ética do marceneiro. SP, Companhia das Letras, 1988.
ABREU, João Batista de. As manobras da informação: análise da cobertura jornalística da luta armada no Brasil (1965-1979). RJ, Mauad/EdUFF, 2000.
ALVIM, Thereza Cesario (Org.). O golpe de 64: a imprensa disse não. RJ, Civilização Brasileira, [1979].
ANDRADE, Jeferson Ribeiro de. Um jornal assassinado: a última batalha do Correio da Manhã. RJ, José Olympio, 1991.
AQUINO, Maria Aparecida de. Censura, imprensa, Estado autoritário (1968-1978): o exercício cotidiano da dominação e da resistência. O Estado de S. Paulo e o Movimento. Bauru, Edusc, 1999.
ARAÚJO, Maria Paula Nascimento. A utopia fragmentada: as novas esquerdas no Brasil e no mundo na década de 1970. RJ, FGV, 2001.
BALANDIER, Georges. O poder em cena. Brasília, Editora da UnB, 1982.
BEDARIDA, François. Temps présent et présence de l’histoire. In: IHTP – Institut d’Histoire du Temps Présent. Écrire l’histoire du temps présent. Paris, CNRS Éditions, 1993.
_____. The social responsability of the historian. Diogène, n. 168, 1995.
BERG, Creuza de Oliveira. Os mecanismos do silêncio: expressões artísticas e o processo censório no regime militar; Brasil, 1964-1984. SP, 1997. Dissertação (Mestrado) — FFLCH/USP.
BERSTEIN, Serge. L’historien et la culture politiques. Vingtième siècle. Revue d’histoire, n. 35,
p. 67-77, 1992
BOBBIO, Norberto. Público/Privado. Enciclopédia Einaudi. Porto, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1989. v. 14: Estado-Guerra, p.177-90.
_____. Intelectuais e poder. SP, Unesp, 1997.
BOCCANERA, Sílio. An experiment in prior restraint press censorship in Brazil, 1972-1975. Dissertação (Mestrado) — University of Southern California, 1978.
BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: FERREIRA, M. de M.; AMADO, J. (Orgs.). Usos e abusos da história oral. RJ, FGV, 1996.
BOUTIER, Jean; JULIA, Dominique (Orgs.). Passados recompostos: campos e canteiros da história. RJ, Ed. UFRJ/FGV, 1998.
BUCCI, Eugênio. Sobre ética e imprensa. SP, Companhia das Letras, 2000.
BUSETTO, Aureo. Pela legitimidade de prever: Ibope, imprensa e lideranças políticas nas eleições paulistas de 1953 e 1954. Estudos Históricos, n. 31, 2003.
CAPELATO, Maria Helena. O bravo matutino. SP, Alfa-Ômega, 1980.
CAPELATO, Maria Helena; MOTA, Carlos Guilherme. História da Folha de S.Paulo: 1921-1981. SP, Impres, 1981.
CARTA, Mino. O castelo de âmbar. RJ, Record, 2000.
CHAGAS, Carlos. 113 dias de angústia. RJ, Agência Jornalística Image, 1970.
_____. Resistir é preciso. RJ, Paz e Terra, 1975.
_____. A guerra das estrelas (1964/1984): os bastidores das sucessões presidenciais. 4ª ed. Porto Alegre, L&PM, 1985.
_____. O Brasil sem retoque, 1808-1964: a história contada por jornais e jornalistas. RJ, Record, 2001.
CHARTIER, Roger. Culture écrite et société: l’ordre des livres (XIV-XVIIIème siècles). Paris, Albin Michel, 1996.
CHAUVEAU, A.; TÉTARD, P. (Orgs.). Questões para a história do presente. SP, Edusc, 1999.
CLARK, Walter. O campeão de audiência. SP, Best Seller, 1991.
CONTI, Mario Sergio. Notícias do planalto: a imprensa e Fernando Collor. SP, Companhia das Letras, 1999.
CONY, Carlos Heitor. O ato e o fato: crônicas políticas. RJ, Civilização Brasileira, 1979.
COUTO, André Luís Faria. O suplemento do Diário de Notícias nos anos 50. RJ, FGV/CPDOC, 1992.
CURRY, Jane Leftwich. The black book of polish censorship. New York, Random House, 1984.
CURRY, Jane Leftwich; DASSIN, Joan R. Press control around the world. New York, Praeger, 1982.
DARNTON, Robert. O grande massacre de gatos. RJ, Graal, 1986.
_____. Boêmia literária e revolução: o submundo das letras no Antigo Regime. SP,Companhia das Letras, 1989.
_____. O beijo de Lamourette: mídia, cultura e revolução. SP, Companhia das Letras, 1990.
_____. Berlin journal: 1989/1990. New York, W. W. Norton, 1991.
_____. Edição e sedição: o universo da literatura clandestina no século XVIII. SP, Companhia das Letras, 1992.
_____. The corpus of clandestine literature in France, 1769-1789. New York, W. W. Norton, 1995.
_____. O iluminismo como negócio: história da publicação da Enciclopédia, 1775-1780. SP, Companhia das Letras, 1996.
_____. Os best-sellers proibidos da França pré-revolucionária. SP, Companhia das Letras, 1998.
_____; ROCHE, Daniel (Orgs.). Revolução impressa: a imprensa na França (1775-1800). SP, Edusp, 1996.
DEBBASCH, Charles; BOURDON, Jacques. Les associations. Paris, Presses Universitaires de France, 1997.
DELGADO, Ariel. Agresiones a la prensa (1991/1994). Buenos Aires, Asociación Madres de Plaza de Mayo, 1995.
DINES, Alberto et al. Os idos de março e a queda de abril. RJ, José Álvaro Editor, 1964.
_____. Papel do jornal. RJ, Artenova, 1970.
_____. Censorship of the press in Brazil. 1975. (Mimeografado).
_____ (Org.). Histórias do poder: 100 anos de política no Brasil. SP, Editora 34, 2000. v. 1, Militares, igreja e sociedade civil; v. 2, Ecos do Parlamento; v. 3, Visões do Exército.
FERES, Sheila Maria. A censura, o censurável, o censurado. SP, 1980. Tese (Doutorado) — Fundação Escola de Sociologia e Política de SP.
FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaína (Orgs.). Usos e abusos da história oral. RJ, FGV, 1996.
FERREIRA, Marieta de Moraes. A nova “Velha História”: o retorno da história política. Estudos Históricos, n. 10, p. 265-71, 1992.
FICO, Carlos. Reinventando o otimismo: ditadura, propaganda e imaginário social no Brasil (1969/1977). SP, 1996. Tese (Doutorado) – FFLCH/USP.
_____. Como eles agiam. Os subterrâneos da ditadura militar: espionagem e polícia política. RJ, Record, 2001.
FRANK, Robert. La mémoire et l’histoire. Les Cahiers de L’IHTP, n. 21, p. 65-72, 1992.
GAZZOTTI, Juliana. Imprensa e ditadura: a revista Veja e os governos militares (1968/1985). São Carlos, 1998. Dissertação (Mestrado) — UFSCar.
GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. 9ª ed. RJ, Civilização
Brasileira, 1995.
HABERMAS, Jürgen. Do jornalismo literário aos meios de comunicação de massa. In: MARCONDES
KENSKI, Vania Moreira. O fascínio do Opinião. Campinas, 1990. Tese (Doutorado) — Faculdade
de Educação/Unicamp.
KHÉDE, Sônia Salomão. Censores de pincenê e gravata: dois momentos da censura teatral no
Brasil. RJ, Codecri, 1981.
KOTSCHO, Ricardo. Explode um novo Brasil: diário da Campanha das “Diretas”. SP, Brasiliense, 1984.
LACOUTURE, Jean. L’histoire immediate. In: LE GOFF, J. La nouvelle histoire. Paris, Complexe, 1998.
MACHADO, José Antonio Pinheiro. Opinião x Censura: momentos de um jornal pela liberdade. Porto Alegre, L&PM, 1978.
MAIA, Maurício. Henfil e a censura: o papel dos jornalistas. SP, 1999. Dissertação (Mestrado) – Escola de Comunicação e Artes, Universidade de SP.
MARCONI, Paolo. A censura política na imprensa brasileira, 1968-1978. 2ª ed. SP, Global, 1980.
MARTÍNEZ, Tomás Eloy. O vôo da rainha. RJ, Objetiva, 2002.
MARTINS, Ricardo Constante. Ditadura militar e propaganda política: a revista Manchete durante o governo Médici. São Carlos, 1999. Dissertação (Mestrado) — Departamento de Ciência Política, UFSCar.
REGO, Norma Pereira. Pasquim: gargalhantes pelejas. RJ, Relume-Dumará, 1996.
RIOUX, Jean-Pierre. Entre histoire et journalisme. In: CHAUVEAU, A.; TÉTART, P. (Orgs.). Questions à l’histoire des temps présents. Bruxelles, Éditions Complexe, 1992.
_____. La mémoire collective. In: RIOUX, J.P.; SIRINELLI, J. F. (Orgs.). Pour une histoire culturelle. Paris, Seuil, 1997. p. 325-54.
_____. Entre história e jornalismo. In: CHAUVEAU, A.; TÉTARD, P. (Org.). Questões para a história do presente. SP, Edusc, 1999.
ROUSSO, Henry. Les usages politiques du passé: histoire et mémoire. In: Histoire politique et sciences sociales. Paris, Complexe, 1991.
_____. A memória não é mais o que era. In: FERREIRA, M. de M.; AMADO, J. (Orgs.). Usos e abusos da história oral. RJ, FGV, 1996.
_____. O arquivo ou o indício de uma falta. Revista Estudos Históricos, RJ, CPDOC/FGV, v. 9, n. 17, 1996.
SACCHETTA, Hermínio. O caldeirão das bruxas e outros escritos políticos. Campinas, Ed. Unicamp, 1992.
SECRETARIA ESPECIAL DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA PREFEITURA DA CIDADE DO RJ. Correio da Manhã: compromisso com a verdade. RJ, Imprensa Oficial da Cidade, 2001. (Cadernos da Comunicação, Série Memória, n. 1).
SIMÕES, Inimá. Roteiro da intolerância: a censura cinematográfica no Brasil. SP, Editora Senac/Terceiro Nome, 1999.
SIRINELLI, Jean-François. Os intelectuais. In: RÉMOND, R. (Org.). Por uma história política. RJ, Editora da FGV, 1996.
_____. A geração. In: FERREIRA, M. de M.; AMADO, J. (Orgs.). Usos e abusos da história oral. RJ, FGV, 1996.
_____. Ideologia, tempo e história. In: CHAUVEAU, A.; TÉTARD, P. (Orgs.). Questões para a história do presente. SP, Edusc, 1999.
SMITH, Anne-Marie. A forced agreement: press acquiescence to censorship in Brazil. Pittsburgh, University of Pittsburgh Press, 1997.
_____. Um acordo forçado: o consentimento da imprensa à censura no Brasil. RJ, FGV, 2000.
SOARES, Gláucio A. D. A censura durante o regime autoritário. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 4, n. 10, 1989.
SODRÉ, Nelson Werneck. História da imprensa no Brasil. 4ª ed. RJ, Mauad, 1999.
SOUZA, Ulysses Alves. A história secreta de Veja. Imprensa, p. 75-105, set. 1988.
TASCHNER, Gisela. Folhas ao vento: análise de um conglomerado jornalístico no Brasil. SP, Paz e Terra, 1992.
UCHA, Danilo da Silva. O poder da imprensa alternativa pós-64: história e desdobramentos. 2aed. RJ, RioArte, 1985.
WEFFORT, Francisco. Jornais são partidos?.Lua Nova. Cultura e Política. SP, Brasiliense, v. 1, n. 2, p. 37-40, 1984.

Avaliação:
Serão duas avaliações. A apresentação de um seminário e a elaboração de um trabalho final.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: